MEU DEUS, ME DE A CORAGEM

 

 

Clarice Lispector MEU Deus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites, todos vazios de Tua presença. Me dê a coragem de considerar esse vazio como uma plenitude. Faça com que eu seja a Tua amante humilde, entrelaçada a Ti em êxtase. Faça com que eu possa falar com este vazio tremendo e receber como resposta o amor materno que nutre e embala. Faça com que eu tenha a coragem de Te amar, sem odiar as Tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo. Faça com que a solidão não me destrua. Faça com que minha solidão me sirva de companhia. Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar. Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo. Receba em teus braços meu pecado de pensar.Clarice Lispector

Anúncios

APRENDENDO A VIVER

Depois de algum tempo você aprende a diferença, 
a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
 E você aprende que amar não significa apoiar-se, 
e que companhia nem sempre significa segurança. 
E começa a aprender que beijos não são contratos 
e presentes não são promessas. 
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida
 e olhos adiante, com a graça de um adulto e 
não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje,
 porque o terreno do amanhã é incerto demais para os
 planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o 
sol queima se ficar exposto por muito tempo.
 E aprende que não importa o quanto você se importe,
algumas pessoas simplesmente não se importam… 
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa,
 ela vai feri-lo de vez em quando e você 
precisa perdoá-la por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para se construir confiança 
e apenas segundos para destrui-la, e que você
pode fazer coisas em um instante, das quais se
arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a 
crescer mesmo a longas distâncias. 
E o que importa não é o que você tem na vida, 
mas quem você tem na vida. 
E que bons amigos são a família 
que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos 
se compreendemos que os amigos mudam, 
percebe que seu melhor amigo e você podem fazer
qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se
importa na vida são tomadas de você muito depressa,
por isso sempre devemos deixar as pessoas 
que amamos com palavras amorosas, 
pode ser a última vez que as vejamos. 
Aprende que as circunstâncias e os ambientes
têm influência sobre nós, mas nós somos 
responsáveis por nós mesmos. 
Começa a aprender que não se deve comparar 
com os outros, mas com o melhor que pode ser. 
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a
pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. 
Aprende que não importa onde já chegou, 
mas onde está indo, mas se você não sabe 
para onde está indo, qualquer lugar serve.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o
controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco 
ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada
e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era
necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você 
espera que o chute quando você cai é uma das 
poucas que o ajudam a levantar-se. 
Aprende que maturidade tem mais a ver com os  tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais  
em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma 
criança que sonhos são bobagens.
Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma
 tragédia se ela acreditasse nisso. 
Aprende que quando está com raiva tem o direito de
estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
 Descobre que só porque alguém não o ama do 
jeito que você quer que ame, não significa que 
esse alguém não o ama com tudo o que pode, 
pois existem pessoas que nos amam, mas
simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser 
perdoado  por alguém, algumas vezes você tem 
que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga,
você será em algum momento condenado. 
Aprende que não importa em quantos 
pedaços seu coração foi partido, 
o mundo não pára para que você o conserte. 
Aprende que o tempo não é 
algo que possa voltar para trás.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma,
 ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
 E você aprende que realmente pode suportar…
que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe
depois de pensar que não se pode mais. 
Aprende que nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, 
se não fosse o medo de tentar. 
E que realmente a vida tem valor e que 
VOCÊ tem valor diante da vida!
 

William Shakespeare

 

 

 

 

O QUE HÁ

Álvaro de Campos   O Que Há    

    O que há em mim é sobretudo cansaço — 
    Não disto nem daquilo, 
    Nem sequer de tudo ou de nada: 
    Cansaço assim mesmo, ele mesmo, 
    Cansaço. 

    A sutileza das sensações inúteis, 
    As paixões violentas por coisa nenhuma, 
    Os amores intensos por o suposto em alguém,  
    Essas coisas todas — 
    Essas e o que falta nelas eternamente —; 
    Tudo isso faz um cansaço, 
    Este cansaço, 
    Cansaço. 

    Há sem dúvida quem ame o infinito, 
    Há sem dúvida quem deseje o impossível, 
    Há sem dúvida quem não queira nada — 
    Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles: 
    Porque eu amo infinitamente o finito, 
    Porque eu desejo impossivelmente o possível, 
    Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,  
    Ou até se não puder ser… 

    E o resultado? 
    Para eles a vida vivida ou sonhada,  
    Para eles o sonho sonhado ou vivido, 
    Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto…  
    Para mim só um grande, um profundo, 
    E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,  
    Um supremíssimo cansaço,  
    Íssimno, íssimo, íssimo, 
    Cansaço…

mario quintana

Os Degraus

Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos – onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo…

Baú de espantos, Editora Globo, Rio de Janeiro, 1986.

 

I Gradini

Non discendere i gradini del sogno
Per non svegliare i mostri.
Non salire in soffitta – dove
Gli dei, dietro alle loro maschere,
Occultano il loro enigma.
Non scendere, non salire, resta.
Il mistero sta nella tua vita!
Ed è un sogno folle questo nostro mondo…

 

Obsessão Do Mar Oceano

Vou andando feliz pelas ruas sem nome…
Que vento bom sopra do Mar Oceano!
Meu amor eu nem sei como se chama,
Nem sei se é muito longe o Mar Oceano…
Mas há vasos cobertos de conchinhas
Sobre as mesas… e moças na janelas
Com brincos e pulseiras de coral…
Búzios calçando portas… caravelas
Sonhando imóveis sobre velhos pianos…
Nisto,
Na vitrina do bric o teu sorriso, Antínous,
E eu me lembrei do pobre imperador Adriano,
De su’alma perdida e vaga na neblina…
Mas como sopra o vento sobre o Mar Oceano!
Se eu morresse amanhã, só deixaria, só,
Uma caixa de música
Uma bússola
Um mapa figurado
Uns poemas cheios de beleza única
De estarem inconclusos…
Mas como sopra o vento nestas ruas de outono!
E eu nem sei, eu nem sei como te chamas…
Mas nos encontramos sobre o Mar Oceano,
Quando eu também já não tiver mais nome.

O Aprendiz de Feticeiro, Editora Nova Fronteira, Porto Alegre, 1950.

 

Ossessione Dell’oceano

Cammino felice per le strade senza nome…
Che buon vento spira dall’Oceano!
Il mio amore neppur so come si chiama,
Né so quanto è lontano questo Oceano…
Ma ci sono vasi coperti di conchiglie
Sui tavoli… e fanciulle alle finestre
Con orecchini e braccialetti di corallo…
Patelle che ricoprono le porte… caravelle
Sognanti immobili sopra vecchi piani…
In questo,
Nella vetrina del bric il tuo sorriso, Antinoo,
E mi ricordai del povero imperatore Adriano,
Dell’anima sua perduta e vaga nella nebbia…
Ma come spira il vento sull’Oceano!
S’io morissi domani, lascerei solo, solamente,
Una cassa di musica
Una bussola
Una cartina illustrata
Qualche poema pieno dell’unica bellezza
Di essere inconcluso…
Ma come spira il vento in queste vie d’autunno!
Ed io non so, nemmeno so come ti chiami…
Ma ci incontreremo sull’Oceano,
Quando anch’io non avrò più un nome.

FELICIDADE….(enviado por iara…..(obrigado amiga) )

Felicidade

Que a felicidade não dependa do tempo.
Nem da paisagem.
Nem da sorte.
Nem do dinheiro.

Que ela possa vir com toda a simplicidade.
De dentro para fora.
De cada um para todos.

Que as pessoas saibam falar,calar.
E acima de tudo ouvir.

Que tenham um amor.
Ou então sintam falta de não tê-lo.

Que tenham um ideal.
E tenham medo de perdê-lo.

Que amem ao próximo e respeitem sua dor.
Para que tenhamos certeza de que viver…
Vale a pena!…