RENASCER

RENASCER

Gotas de orvalho…
Pingos de chuva!
Lágrimas vertidas…
Soluços reprimidos!

Sonhos desfeitos!
Esperanças perdidas!
Luz que se apaga..
Amores vencidos!

Apocalipse da vida..
Holocausto da alma!
Vendaval sem vento…
Silêncio Vazio!

Brilho do sol!
Encanto da lua!
Reflexo de estrelas!
Solidão de cometa!

Morrer é mistério!
Viver é uma incerteza…
O tempo passa escorre a areia…
Pela ampulheta da existência!

Transcendi a viagem de adulto!
Transgredi a inocência de menino!
Entreguei-me aos delírios…
Dos caprichos e prazeres!

Um botão se abriu…
Uma nova flor nasceu!
Com o doce sabor e perfume…
Da vida, você e eu!

THOMAZ BARONE NETO

FECHEI MEU CORAÇÃO PARA BALANÇO!

Fechei meu coração para balanço, existem tantas contas abertas no banco da minha alma.Para o balanço do coração, o problema não são os prejuízos mas as grandes contas.
Aquelas que estão com saldos positivos por terem sido feitos depósitos de mais sem nunca retirar.
Aquelas que me fizeram sorrir, que me fizeram sentir, que deram vida. Que me fazem bem, que me ajudaram quando cai, que me ensinaram quando falhei, que me entenderam quando perdi, Que me deram, que creram, acreditaram, creditaram, me deram amor de verdade muitas vezes nem correspondido, deram por dar, financiamento a fundo perdido.
Amaram por que sim e apesar do não. Essas são as contas que põem em balanço um coração.

E eu as tenho de mais, mais do que posso guardar, mais do que pude agüentar. Muitos diriam ser sorte, outros tem ate inveja, pra mim amigo, finalmente aprendi a regra três.
Vinicius avisou para Toquinho, de mansinho, pra não assustar, falou pequenininho como era de se esperar, foi feliz, muito feliz ao cantar, o que eu só entendi sozinho, vivendo sem paz, dessa Regra não se abusa, "menos, vale mais".

Maldita a beleza da vida e a beleza dos encontros, maldita a beleza das pessoas e malditos os desencontros. Maldito o coração de poeta que acredita no amor, no perdão, na paixão, no novo, no velho, na experiência e na reconciliação.
Por ser tão pecador, entende demais o pecado dos outros e não se irrita, não condena, não encontra erro, e perdoa sempre. Talvez se não fosse assim tão crente (na vida) conseguiria andar para frente, talvez se não fosse tão aberto fazia o apenas o que parece certo.
Ainda que isso seja abrir mão de ótimo e investir no bom, para fazer do bom o melhor. Ou ainda, deixar de buscar o perfeito que não existe, o sonho que persiste, para investir no que e natural e transformar em algo mágico, mas real.

Não me entenda mal, o amor e eterno e sem limites. Não existe barreiras ou medidas de intensidade para amor fraternal, amor ao próximo, ate amor ao inimigo e muito menos amor a Deus.
Mas para o amor carnal, apaixonado, romântico, esse sim, não podem ter dois vivos no mesmo momento. Fechei meu coração para balanço porque amor Eros exige a vida em investimento, por isso não se pode ter dois gerentes pra a mesma conta e nem duas contas para o mesmo gerente. Quando mais de uma conta se tornam importantes então e necessário reestruturar, repensar, reavaliar, retroceder, reviver e então . . . restaurar ou recomeçar, mas não se pode nunca deixar rolar, e preciso agir, e preciso andar.

Maldito o coração sedento que acha poder receber para sempre amor a fundo perdido. Fechei meu coração para balanço, porque não agüento mais ser bandido; que rouba de quem tem e depois deixa escondido. Mas nem sempre o maldito e de todo mal, fechei meu coração para balanço porque muitas vezes maldito e apenas real, e como Cristo só foi bendito no final, para quem ama ser maldito por um tempo é normal. Tempo de escolhas, tempo de decisões, tempo de solidão, tempo de rejeição, tempo de confusão.

Não condeno meu coração por ser humanamente maldito, fechei meu coração para balanço porque humanamente maldito e melhor do que falsamente bendito. Ja que amor, assim como Deus, apenas e. Sem razoes, explicações, sem porquês, totalmente inconseqüente e desprovido de qualquer proteção e nem medo de quebrar a cara, de não ser, ou de ouvir um não.
Por isso a melhor descrição de amor não diz o que ele e, mas o que ele faz ou o que ele não faz. Isso porque amor so pode ser definido em relação ao ser amado: tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta e alem disso nunca falha.
Não busca seus próprios interesses, não se irrita e não suspeita mal ?? E assim Paulo vai dizendo o que o amor e, através de como ele se comporta, nessa narrativa quase pedante.

Fechei meu coração para balanço, porque amor só e amor se for troca perene e constante, recebe-se, e devolve-se. O peito e a mão estão sempre abertos. O caminho e de ida e de volta.
Amor não pode nunca ser mar, mas deve sempre ser rio, senão acabamos como o mar morto que de tanto receber morreu.
Temos que ser passagem de amor atroz, correnteza feroz, onde existe confusão, dor, movimento, alegria, barulho, luta, vontades, perigo, coragem, medo, vida, no meio de tudo isso e que se fabrica energia para a viver, nunca vi uma hidroelétrica no mar. Receber e guardar para depois adoece as almas.

Por fim, como tudo na vida e de graça e tem seu preço e poucas coisas são como gostaríamos fosse, no momento onde eu mais preciso de amor, carinho, conforto, onde eu mais poderia usar uma migalha de atenção, ainda que fugaz, rápida, despretensiosa . . .
Na bendita hora de chance para outras chances, que me libertei de uma incerta certeza que vivia, fechei meu coração para balanço quando vi que nada me prendia a não ser eu mesmo.
Meus medos, meus traumas, minhas culpas, minhas fantasias, meus sonhos e meus amores, enfim, minha alma ainda vadia.

Enquanto o ativo e maior que o passivou ou vice versa, o contador não terminou o seu trabalho. Não vou aceitar amor enquanto não puder dar. Não vou dar amor enquanto não puder aceitar. Na expectativa de que o que for esperança e o que for apenas fé dentro de mim passe e só o que e eterno fique, pois agora permanecem a esperança a fé e o amor, mas o maior de todos e o amor. Fechei meu coração para balanço.

Desconheço a Autoria

 

mudanças…

 

"Mude, mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair,
procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas, calmamente,
observando com atenção
os lugares por onde você passa.

Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os seus sapatos velhos.Procure andar descalço alguns dias.

Tire uma tarde inteira
para passear livremente na praia, ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.

Durma no outro lado da cama…
depois, procure dormir em outras camas.

Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais…
leia outros livros,
Viva outros romances.

Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.

Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores,
novas delícias.

Tente o novo todo dia.
o novo lado, o novo método,
o novo sabor, o novo jeito,
o novo prazer, o novo amor,
a nova vida.

Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.

Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado…
outra marca de sabonete,
outro creme dental…
tome banho em novos horários.

Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito, cada vez mais,
de modos diferentes.

Troque de bolsa, de carteira,
de malas, troque de carro,
compre novos óculos,
escreva outras poesias.

Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.

Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros,
outros teatros, visite novos museus.

Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
E pense seriamente em arrumar um outro emprego,
uma nova ocupação, um trabalho mais light,
mais prazeroso, mais digno, mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.
Seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa, se possível sem destino.

Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
E experimente outra vez."

(Edson Marques

ANGUSTIA

Cuspo essa poesia
de dentro da minha alma
dos confins do meu ser
para você.

Olhar doce
perdido
deixa eu te mostrar
meu caminho.

Suave toque
não destoque
não saberei viver
assim…

Não va para o longe
não posso ficar sozinho
não vivo sem você.

Meu pensamento é você
saia da minha mente
ou venha para mim…
Não consigo viver
assim.

Você veio e embaralhou tudo
um furacão destruidor
que vai embora
deixando lágrimas ao passar
e você está deixando as minhas…

Não, não aguento mais isso
não vou chorar
essa angústia agora
que bate no meu peito
ela vai me matar…

Sinto seu cheiro
imagino seu corpo
e por um momento
estou com você.

Você que me persegue até nos sonhos
e me faz quere-los que dure para sempre
você, dona da minha angústia
por favor
termine com essa tortura.

Essa tortura da alma
que dilacera corações
expreme lágrimas
e me faz querer
desamar.

Cuspo essa poesia para você
de dentro da minha alma
do fundo do meu ser.

 
Fábio Farias

 

 

OBJETIVOS DA VIDA……(reflita….e assuma uma posição)

  • Objetivos da vida

  • Por Pedro J. Bondaczuk
  • O fotógrafo norte-americano Edward Steichen, acostumado a flagrar as cenas mais chocantes e incompreensíveis do cotidiano, observou: "É possível compreender os estragos da bomba atômica. Mais difícil é entender o significado da vida".

    Aliás, tarefa dessa natureza virtualmente raia ao impossível, dada sua complexidade ou a insignificância humana. A compreensão do intrincado mecanismo vital a cada dia fica mais clara, dados os avanços da ciência. A morfologia e o funcionamento das células, tecidos, órgãos, aparelhos e organismos vivos, já perderam quase todos os seus mistérios.

    Cientistas já mapearam, ou estão prestes a mapear, a totalidade dos genes humanos. Bebês de proveta há muito deixaram de ser novidade. A engenharia genética já é capaz de mesclar características de diferentes espécies numa só (os transgênicos) ou de clonar qualquer um de nós, partindo de quaisquer das nossas células, não mais necessariamente as da reprodução natural.

    Todavia, qual é a "razão de viver"? Qual a verdadeira finalidade da existência? Existe alguma? Há uma única? São várias? Por que os seres – animais ou vegetais – nascem, se desenvolvem e se reproduzem, se estão, irremediavelmente, condenados a morrer? Não seria um desperdício? Há vida em outras partes do Universo? Caso a resposta seja afirmativa, ela é igual, semelhante ou diferente da existente na Terra? São perguntas, perguntas e mais perguntas, infinitas delas, sem respostas adequadas ou sequer satisfatórias…

    Tais questões há muito desafiam filósofos das mais variadas tendências e escolas, biólogos, astrônomos e especialistas nas mais diversas áreas da ciência, sem que ninguém haja sequer se aproximado de uma conclusão que, mesmo não definitiva, ao menos se aproximasse, se não da verdade, pelo menos da verossimilhança.

    Os que têm fé, fundamentam os objetivos da vida na esperança da eternidade, embora de forma muito vaga, em geral induzida por suas próprias crenças e fantasias. A maioria prefere mergulhar numa desesperada alienação, "vivendo" apenas, sem inquirir a si próprios, à sua lógica e razão, sobre significados ou finalidades.

    Há quem faça desse questionamento interminável matéria-prima de sua arte, não importa qual. Para uns, viver significa acumular bens, deter riquezas, possuir poder e satisfazer os sentidos. Para outros, talvez um pouco mais sensatos, trata-se do processo inverso: o de deixar algum legado, em obras – materiais, artísticas ou espirituais –, idéias ou exemplos.

    Muitos dogmas foram erigidos, e persistem e até se multiplicam, que têm o efeito de uma espécie de "narcótico", para afastar seus crentes da dura realidade, acatados cegamente, sem reflexões ou considerações, por milhões de pessoas, que se sentem "felizes" por não serem "obrigadas a pensar". Deixam que outros pensem por elas. O imperador romano Júlio César observou, sabiamente, que "os homens têm grande disposição para acreditar no que desejam". E como têm!

    Diariamente, aparecem charlatães, com receitas "milagrosas" sobre a arte de viver, ditando normas, de conformidade com suas fantasias e ilusões. E nunca lhes faltam discípulos e adeptos. Religiões e mais religiões surgem do nada, criadas por espertalhões, que exploram a ignorância, inocência ou boa fé dos mais simples ou néscios. Fala-se, amiúde, por exemplo, em modernidade, embora, como constatou um filósofo, em passado remoto: "não existe nada de novo debaixo do Sol". E esse surrado clichê continua sendo rigorosamente verdadeiro.

    Basicamente, o homem contemporâneo é o mesmíssimo ser primitivo que um dia habitou as cavernas, só que aprendeu a desenvolver ferramentas, cada vez mais sofisticadas, para desempenhar tarefas vitais (e outras, nem tanto), que antes executava apenas com as forças dos seus músculos. Substituiu, por exemplo, a magia dos rústicos desenhos dos feiticeiros, traçados nas paredes da sua inóspita moradia primitiva, pelo computador. Dominou processos naturais para o seu bem-estar. Descobriu como produzir fogo, inventou a roda, aprendeu a plantar, a fiar e a erigir edificações. Criou engenhocas mecânicas, cada vez mais complexas e em maior quantidade, o tear, o motor a explosão, o automóvel, o telefone, o avião, o rádio, a televisão, o foguete… Inventou a música, a pintura, a escultura, a arquitetura. Criou os esportes e se deixou fanatizar por alguns deles, matando ou morrendo por seu clube favorito. Todavia, na essência, continua o mesmo animal selvagem, perigoso, traiçoeiro e venal, embora vulnerável, com seus medos, mitos e indagações, sujeito a morrer a qualquer instante ou lugar.
    Teorias para explicar os objetivos e, sobretudo, o significado da vida abundam, a maioria de caráter esotérico, usando jargões próprios para os "iniciados" (ou tolos?), com expressões complicadíssimas, num arremedo de sabedoria, que no final das contas não passa de estupidez, que pouco ou nada significam. Não passam de fantasias delirantes, de engodos e de empulhações. Mas sempre contam com hordas de fanáticos seguidores.

    O verdadeiro, e sobretudo o belo, são simples. A beleza está na simplicidade. E embora o homem seja incapaz de entender o significado da vida (e talvez por isso mesmo), com que facilidade ele a suprime! Inventa máquinas sofisticadíssimas de assassinatos em massa, dizima espécies e mais espécies de animais e vegetais (que um dia lhe farão muita falta) e elabora, com extremo cinismo, pomposas, mas abstratas, justificações para o injustificável: as guerras! Apesar do "disfarce" de modernidade, portanto, não passamos do primitivo animal, dito racional, que apenas trocou as cavernas primitivas por mansões, apartamentos ou casebres em infectas favelas de superpopulosas e violentas cidades.

  •  
     

     

  • RECOMEÇAR……VAMOS???

    Trabalho & Companhia

     

    Pronto para recomeçar


    Por: Andréia Alves de Brito Guedes

    Recomeçar muitas vezes não é algo prazeroso, que estejamos ansiosos para fazer. Na verdade tudo que começa com “re” significa muitas vezes “repetir” como REcomeçar, REcalcular, REtrabalho, REescrever e outros muitos “RE`s”. No entanto é importante pensar que o que temos a chance de REfazer, muitas vezes resulta em algo com o final muito melhor do que da primeira vez.

     

    Parece que estou enrolando vocês para tentar convencê-los não é? Convencer sim, enrolar jamais!

    Recomeçar exige muito de nós, exige luta, esforço, dedicação e o principal, otimismo. Fé de que desta vez vai dar certo, motivação para crer que se desta vez não der, não faltará vontade de tentar de outra forma, mas nunca desistir.

     

    Recomeçar é um desafio, mas lembrem-se que desafio é o prato principal de pessoas de sucesso. Tudo que vem fácil, vai fácil, assim dizia minha avó. Para darmos valor a algo é importante que tenhamos lutado por aquilo, suado a camisa, feito valer cada pedacinho.

     

    Recomeçar é um ato de coragem e inteligência, que exige maturidade, perseverança e determinação, exige extrair coragem dos seus fracassos, sabedoria das suas frustrações e sensibilidade das suas perdas e isso já é um passo e tanto, um ato de alguém vencedor, de uma pessoa de sucesso.

     

    Recomeçar pede que tenhamos ao menos cinco das características dos grandes gênios que são: Persistência na busca pelo interesse; ânimo diante dos desafios; facilidade para propor idéias; capacidade de influenciar pessoas e NÃO depender do retorno dos outros para seguir um caminho.

    Ninguém disse que era fácil, porém ninguém também disse que precisa ser doloroso, certo?

    É muito importante querer e sentir prazer em buscar algo. Não se trata somente de tentar, mas sim de se permitir conseguir e atingir o desejado. Deixar a frustração, mágoas desnecessárias e tristezas de lado e levantar a cabeça, “bater a poeira” e seguir em frente, visualizando o sucesso e as glórias que este trará.

     

    Martin Luther King foi um homem que nunca desistiu dos seus sonhos e vocês hão de concordar que não foi muito apoiado no início, não teve poucas frustrações ou mágoas, mas nunca, nunca, deixou que isso fizesse com que a busca pelo seu objetivo deixasse de existir.

     

    Se ele e muitos outros homens mulheres enfrentaram o mundo, uma nação, um exército para conquistarem algo, porque nós não enfrentamos alguns desafios para termos nosso sonho realizado, nosso objetivo alcançado, nossa meta atingida.

     

    É a hora, é o momento de tomar coragem, juntar todo o conhecimento, capacidade e vontade, e recomeçar. É a hora de acreditarmos em quanto somos capazes de fazer, e como somos inteligentes a ponto de se por um acaso fracassarmos, recomeçarmos, uma, duas, três, dez vezes se necessário, pois os grandes vencedores nem sempre conquistaram suas proezas na primeira tentativa.

     

    Vamos lá! Eu já comecei a recomeçar e você?

     

    “Os perdedores vêem a tempestade, os vencedores vêem por trás das densas nuvens os raios de sol.”